Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2018

paralisante desejo

uma pequena adaga se move
no escuro do quarto,
formigas passeiam livremente
pelo seu corpo, a cara de horror
estampa a vitrine que veste
seus olhos, sua boca
muda, gesticula
coisas obscenas e breves,
um óleo pegajoso que te gruda
os braços, arranha teu rosto.
cada hora do dia é um crime,
existir preso e existir cansado,
cercado de muros, espelhos,
caminhos, confissões.
uma pequena vela tremulando
sozinha no vasto rio
do esquecimento

flutuações sobre o espaço

um vórtice mágico
de luz,  apareceu no buraco
aberto, entre o teto e o sanitário,
cintilações azuis, roxas,
giroscópicas
me atingiram. deitado,
absorto em como as estrelas
pareciam querer dançar
através da ferida aberta no teto
do banheiro,
melodiosamente marcada
por um único fio fino
e prateado
que se desenrolava preguiçoso
sobre o oceano branco do
porcelanato.
eu me deixava ir através
das luzes, através
da fresta, através da gota,
uma fome me nascia. e crescia.
e crescia. e se esticava pelo meus
ombros, pelo meu peito, meu
estômago. minha pele,
fundida à voracidade da água,
molhava meus cabelos,
esparramados
à altura dos querubins espaciais
e dos tremores. um corpo iluminado
pela sombra de Saturno.um buraco no mundo que estufa
e brilha.

viagens líquidas sobre iluminação natural

enquanto esboçava sorrisos
elaborados para a câmera,
levemente sensuais,
imitando um modelo francês
qualquer, reparei por um átomo
de tempo, em como a luz
se infiltrava pela minha pele,
distraído do palco dos outros,
meu próprio, indaguei sobre
a fina película que envolve
nossos olhos,sobre como vamos perdendo
partes e ganhando partes
e perdendo partes infinitamente
na roda das coisas, que desde que
o mundo é mundo que nada
faz sentido.aplico um filtro rebuscado
sobre a forma que eu vejo
o mundo e o corpo
que se move, exposto,
animado pelas fantasias
anônimas do público
e por ele mesmo, dançando
continuamente sobre túmulos
e pátios e creches e escolas,
uma sansara entre viver
e existir. (re)existir,
quando nada mais perece
de fato.